sábado, 20 de novembro de 2010

Amamentação

Acho que todo mundo aqui viu a matéria da "mãe - vaca " certo?Mas, para quem não viu, ta ai o link: http://www.diariosp.com.br/_conteudo/2010/11/12971-a+pressao+de+ser+uma+mae+vaca.html

Bom, a matéria foi a deixa, para todas aquelas mães que não amamentaram (nem persistiram a partir do primeiro problema), que não amamentaram porque o peito cai, porque é complicado e exige 'perca de tempo', para todas as mães que fizeram questão de não entender que ser MÃE, é doar, é abrir mão, abrir mão de sair, abrir mão de noites de sono, abrir mão de um peito durinho.
Acho que cada um tem seus motivos, e como dizia minha mãe " nem tanto céu, nem tanto a terra" temos de ter equilíbrio, mas negar o alimento ao seu filho, o melhor alimento, por puro 'luxo' para mim é inaceitável!
Claro que existem muitas situações distintas para levar uma mãe a não amamentar o seu bebê, e sim, existe uma pressão da sociedade para ao mesmo tempo que você tem de amamentar seu filho, existe a pressão de que você tem de ser eternamente a mulher gostosa, mesmo depois de ter um filho. Que você tem de recuperar o corpo de antes, nos primeiros meses, porque a Claudia Leite, recuperou né! 
Respeito quem decidiu desmamar cedo a criança, respeito quem " o leite empedrou ", mas não sou obrigada a entender. E é indiscutível que o leite materno, é sim o melhor alimento para o bebê, o mais completo, a maior prova de amor. Então, se você decidiu que o seu peito tem de se manter durinho, tudo bem, agora, não discuta com fatos.


Amamentação não é um bicho de sete cabeças, falta sim preparo das pessoas, tanto das futuras mamães, como das Enfermeiras, Médicos, e profissionais de saúde que não sabem orientar de uma forma correta, apenas o velho, "amamente o seu filho, mãezinha".
Falta também as pessoas se preocuparem menos, isso mesmo, amamentar é um dom natural, a sua avó amamentou, a sua bisavó amamentou, e lá não tinha nenhuma revista, nenhum site, nenhuma pomadinha para se passar. E deu certo, não?


Minha experiencia de amamentação foi natural, não usei pomadinhas no seio, não tomei sol, não li mil artigos sobre, eu sabia que DEVERIA amamentar, e foi assim, sem stress, sem pensar muito, e em livre demanda. Meu peito nunca raxou, meu leite não empedrou, e eu saia, tirava leite e saia a noite quando necessário, e depois dos 6 meses minha filha continuou a mamar no peito, tomava suco na mamadeira (e todo mundo falava que ela largaria o peito por isso) e continuou no peito, fiquei internada 3 dias, e ela continuou a ser amamentada. Isso se chama, dedicação, FORÇA DE VONTADE.
Não acho errado quem da fórumas artificiais para o seu bebê, como já disse, cada caso é um caso. Acho errado quem não QUER amamentar, por valores estéticos, por comodidade.
Até os 6 meses da minha filha, sempre deixei guardado uma lata de NAN em casa, se por acaso acontecesse algo e eu não pudesse amamentar, com certeza não deixaria minha filha passar fome. Mas apesar de algumas dificuldades que eu tive durante esse período, a lata nunca foi aberta.


Não sou xiita que fico olhando com cara feia para a mãe que quer dar NAN para o filho, cada um escolhe o que quer para o seu filho, e isso cada dia mais me deixa com a certeza de que eu escolhi o MELHOR para a minha filha.
Hoje minha filha não é um bebê super gordinho, ela é normal, não inchada de fórmulas artificiais me dando a ilusão de ser saudável e gordinha.
Com 13 meses, se ela teve um resfriado, foi muito. Mas ela é SAUDÁVEL, e isso me deixa realizada. 
SIM EU AMAMENTO!

10 comentários:

Tenikey disse...

Kira, eu não poderia concordar mais com vc, adorei o post! e tbnao entra na minha cabeça uma mulher "querer" ser mãe mais não "querer" se doar...

beijos

Thali Lopes disse...

Eu também concordo que tem pessoas que não dá de mamar por estética ou "bem-estar" próprio, o sonho da minha vida era ser mãe e como privaria este ser tão amado e desejado do liquido mais precioso. Estou sofrendo com isso, eu fiz redução de mama a +-7 anos a cirurgia foi muito invasiva na época conversei com o médico e ele me confirmou que eu não teria problemas.
E agora Luana esta com quase 1 mês e tive e continuo tendo muita dificuldade, ontem eu fui no banco de leite da Universidade Federal da Bahia e fui muito bem recebida, dei mama a Luana lá e elas avaliaram a pega dela, a minha posição tudinho e sai de lá com a orientação de continuar persistindo para dar o máximo possivel a ela, mas ela esta precisando de complemento, no momento da cirurgia acredita-se que alguns ductos foram atingidos.
Mesmo assim insisto, meu peito já machucou mais de 7 vezes e mesmo assim persisto, também não me rendi a pomada mas coloco o próprio leite e a concha de silicone para proteger, ela já chegou a ficar o dia inteiro só no meu peito e quando ela largava muito agitada eu apertava e nada saia, quando não amis suportei ela chorando muito de fome e ofereci o NAM ela estava tremendo até fiquei com tanta dó.
Vou continuar persistindo pois terei a consciência que tentei até o último momento.

Beijocas na fofinha.
@thalilopes

Confissões de uma mãe de primeira viagem disse...

Li a matéria e não achei tão absurda como muita gente achou.
Também não entendo essas mães que decidem não amamentar , minha sora foi uma delas, e eu morria de raiva quando ela falava que não quis amamentar. Nossa, aquilo me consumia, pois eu sempre quis, e só consegui por 3 meses.
para mim a amamentação foi algo muito dificil e só estando no outro lado da moeda para saber!
Mas acho que a campanha apoiando a amamentação deveria conter menos pressão e ajudar mais aquelas que não conseguem por algum motivo.
Espero no próximo filho conseguir amamentar até onde ele quiser!
Bjos

May disse...

Olá, vim divulgar oSorteio do meu blog
Um Secador Rosa e um Perfume Adidas
Participe Clicando AQUI

Beijos

Coisa de Mãe disse...

Kira, vim agradecer a sua visita lá no blog, adorei! Olha, gostei demais de seu blog (tô te seguindo) e esse post sobre a amamentação tá muito bom! Acho terríve também as mães que deixam de amamentar, ou não o querem, por uma simples questão estética. Amamentei minhas filhas até os 8 meses (elas largaram porque quiseram) e João, que está com 1 ano até hoje tá mamando e não tem previsão de deixar o peito.srsrsrs.!

No mais, acho que às vezes falta sim força de vontade de algumas mamães! Infelizmente quem perde é o bebê!

Bjos!

Ivana

Steph Ciciliatti disse...

Eu me revoltei com o texto, mas passou hahahah
Eu sou a rainha do leite empedrado. Até hj empedra. E isso é motivo pra parar de amamentar? CLARO QUE NAO, pelo contrario.. quando empredra tem que oferecer mais ainda a mama.

Respeito quem faz a escolha de nao amamentar, mas nao entendo.
Já as que tentaram, acho que nao conseguiram por falta de experiencia.
Sao raros os casos de maes que nao produzem leite, mas né.. isso ninguem explica as "maezinhas"

Continue assim, linda, diva e inteligente

Lígia Castro disse...

Pois é, concordo com todo mundo, e tenho muita coisa a dizer também.
Não consegui amamentar.
E no meu caso foram milhares de fatores: uma redução de mama feita antes de engravidar, que como no caso do outro comentário alterou meus ductos completamente, a intolerância a lactose do meu filho e PRINCIPALMENTE falta de apoio e informação.
Acho que amamentar é natural e a minha maior frustração, além de não ter tido parto normal, foi não conseguir amamentar.
Hoje, depois do que passou, sei que minha postura com um próximo filho será diferente, tentarei ao máximo buscar mais informações a respeito, e persistir mais.
Não me arrependo de não ter amamentado, p´q nao foi algo que eu optei, mas foram circuntancias e problemas reais.
Hoje, graças a Deus, tento compensar a ligação que se tem com o filho quando se amamenta, não só em todas as ocasiões, mas principalmente quando dou mamadeira a ele. Por incrível que pareça chega perto de amamentar, pois é o momento máximo de carinho que eu e meu filho temos.

Bom, é isso.
Acredito que temos sim que informar mais, estimular mais a amamentação e exercer menos pressão.
APOIO E INFORMAÇÃO são os que mais contribuem neste caso.

Thata disse...

Sei que está meio tarde pra um comentário mas acho que, assim como eu estou passando agora, muitas pessoas podem passar aqui depois. Eu não sou mãe ainda, mas desejo muito ser e leio bastante, pesquiso, enfim e tenho medo sim de como meu corpo irá ficar após à gravidez, mas a vontade de ser mãe e me doar à alguem tão importante supera.
Eu queria acrescentar que o que deixa os seios flácidos não é a amamentação e sim a gravidez ou seja, não interessa se você não vai amamentar, eles cairão do mesmo jeito!
As americanas não têm o hábito da amamentação e quase sempre nem tentam, já mandam no suplemento mesmo o que, particularmente, não acho certo e acredito que impacta na formação do caráter.

Dani disse...

e lá vou eu comentar mais um post antigo! nossa, fico muito contente pela amamentação da beatriz ter fluído naturalmente! era meu sonho que tivesse sido assim com a gente. mas não foi.. como outras mães disseram, tb passei por cirurgia aos 18 anos, com um médico excelente. ela não alterou em nada a minha produção de leite, mas esse não é o único fator que pode ocorrer. a minha pele ficou mais fina onde tem cicatriz, por isso, praticamente nem aparecem. quase que precisa de uma lupa para ver. o cara é muito fera. mas toda a minha cicatrização é assim, exatamente o contrário do quelóide. no quelóide se formam camadas a mais de pele, por isso que fica em alto relevo. nas minhas, formam-se menos camadas, sempre. não sei pq.. então a pele dos meus seios ficou mais fina e simplesmente não tolerou a constância da amamentação que eu desejava. meus seios machucaram feio, sangravam, doíam, ardiam, a pele foi descolando e os mamilos ficaram tipo, pendurados.. feio de se ver. quando ela pegava eu ia na lua, daí me acostumava com a dor e continuava a mamada. fiquei nessa luta por 4 meses, e acho que fui "macho pra c******"!!! me considero uma vencedora pelo tempo que consegui levar com tanta, mas tanta dor e machucados. meu marido saia de perto, não conseguia lidar bem com a minha dor, coitado. não deve ter sido fácil pra ele tb. sendo assim, é claro que não aguentei amamentar exclusivamente e muito menos em livre demanda, né? e o duro é que mesmo sabendo que fiz maaais do que um ser humano normal toleraria em termos de dor, (afinal eu era uma nova mãe realizando o sonho de sua vida, tentando realizar tb o sonho de amamentar exclusivamente a sua filha) ainda me sinto muito culpada por pressões externas.. tipo quando ouço que amamentar é um ato de amor (uepa, amo minha filha maior que o mundo!), que amamentação é um ato instintivo, que amamentação [e força de vontade, que é psicológico, e blá blá blá. pode tb ser tudo isso, mas não somente. mãe e bebê tem de apender a fazer isso, na maioria das vezes.. se não aprende, dá NAN. e se sente culpada, achando que foi fraca de não vencer as dificuldades, de achar que não ama o suficiente e por aí vai. pq ajuda efetiva não vem recheada de carga. ajuda efetiva é leve e traz resultado! mesmo a minha filha tendo a pega perfeita, avaliada por pediatra, enfermeiras, GO, e tudo mais, mesmo eu tendo feito de um tudo pra preparar a mama, com sol, concha, mamare (52 reais o par!) e tb leite materno, por causa da minha pele, não houve jeito. acho que até demorei muito para admitir e finalmente jogar a toalha.. pq o sacrifício que eu estava fazendo no final, para amamentar umas 2 vezes por dia, não estava valendo a pena. era dor, restrições alimentares. stress.. e o que realmente a alimentava era o LA. daí questionam seu vínculo.. peito não é tudo em questão de vínculo, embora seja maravilhoso para contribuir nisso. não adianta dar peito mas largar no berço chorando, fazer as coisas como trocar e dar banho mecanicamente, pegar no colo de qq jeito, não enfatizar o toque, etc etc etc.. vejo um bando de mendigas coitadas) amamentando em livre demanda na rua, bebês carregados feito sacos de batata e elas fazendo de um tudo ao mesmo tempo, nem preciso exemplificar.. e o resto? vínculo aí? duvido.. pode até ter do filho com a mãe, mas o da mãe com o flho, tb essencial, ah, não vai ter mesmo. a ligação da mãe pelo filho, que vamos aprendendo com o tempo (interpretar choros, saber quando quer carinho, colo, proximidade, etc) tb é essencial para que ele cresça saudável psicologicamente, seguro emocionalmente.. mas ela faz aquilo pra dar um cala a boca no bebê e pronto, feito o que dizem da chupeta.

Dani disse...

hoje não posso reclamar, não ficou mais doente que bebê alimentado com LM, é extremamente carinhosa, grudada, apegada, beijoqueira.. tem crescimento e peso saudáveis, medianos.. nem gorda e nem magra. ela é muito mais do que o que sempre sonhei.. no final, a gente trabalha as frustrações e aprende a aceitar que fez tudo o que poderia naquele momento.. e o que vale é essa criança incrível, carinhosa e saudável. eu agradeço ao LA, infelizmente contra a minha vontade e desejo, sonho, mas agradeço muito pelo hoje da minha pequena. então, hj sei mais do que antes, mãe de primeira viagem. hoje, engravidando novamente, consultora de amamentação contratada junto com o teste positivo! hj conheco o mamatutti tb, que ajuda o bebê a permanecer no peito com mais facilidade. tb conheço os bancos de leite.. meu caso é extremamente peculiar, que fique claro! amamentar, mais que um ato de amor, é um ato nobre. o melhor para o bebê, sem sombra de dúvidas. o melhor para a díade, um fato. parabéns, isa, pela amamentação prolongada da beatriz, por simples questão de opção. a melhor opção! beijos