sexta-feira, 15 de abril de 2011

Enquete

Bommmm...
Ali no canto direito, em cima do arquivo do blog, tem uma enquete. E seria legal se todas vocês que frequentam o blog, comentam ou não, que gostam ou não, participacem!


Qual a parte mais complicada da maternidade?



Amamentar:

Pra você amamentar foi um martírio?Ficou perdida sem saber o que fazer, e sem onde recorrer? Ninguém te entende quando você fala que seu leite secou e todo mundo te olha torto por isso? Amamenta em publico e não aguenta mais te olharem torto como se você estivesse fazenso sexo selvagem na praça de alimentação do shopping?



Conciliar ser mãe e ser mulher:

Ser mãe não é sinonimo de ser baranga. OU é. Você não tem mais tempo, nem dinheiro, nem paciência para passar horas no cabelereiro e todo mundo te critica porque você " não se cuida "? Ou todo mundo te critica porque você tirou o sábado para você e deixou o filho com a avó?


Educar sem criar o filho em uma bolha:

Você ensinou que palavrões são normais no cotidiano da maioria das pessoas e todo mundo te acha anormal? Seu filho diz bom dia, boa tarde e pede com licença e todo mundo acha que você é deus e fez um milagre divino? Você não sabe mais o que fazer para o seu filho parar de dar show no supermercado e todo mundo te julgar? Já deixou de levar seus filhos em algum lugar por conta disso?



Beijos suas lindas!


E Sigam o @maedemerda

6 comentários:

kkfaria disse...

votado! Não revelo por nada! hahahaha

@kkfariaa

Tassi Bach disse...

Pra mim é poder conciliar ser mãe e ser mulher. E não só no quesito beleza, também tá difícil namorar, me encontrar com os amigos... Ser gente! Eu virei bicho, não saio de casa, e tô uma baranga! Coitados dos maridos que aguentam essas mulheres resmungonas e esculhambadas! hauhauhauhuaha

Carola disse...

meninas, comecei a seguir vcs essa semana no twitter e já indiquei pra outras amigas tb.
Sou uma mãe de merda e tenho o maior orgulho por isso. Queria contar minha experiência como mãe de merda, mas aqui nos comentários nem rola, prometo fazer um post no blog.Respondi a enquete, pra mim educar sem criar o filho em uma bolha é o mais complicado. Tenho 3 ferinhas aqui, na verdade feronas, meu filho mais velho tem 21 e minha caçula 14 e eu amãe de merda de 40...rs
Enfim,quero dar os parabéns pelas postagens, um dia as pessoas vão perceber que ser mãe de merda tem muitas vantagens e falo com conhecimento de causa.
Bjooo pra vcs.

Ana Carla Benet disse...

Tudo isso aí é difícil, mas a vontade de colocar o filho na cristaleira e a vontade de fazê-lo capaz de enfrentar o mundo ... é difícil. rs

Aff

Alexandra disse...

Na minha opinião, foi dificil amamentar para cace.., mas o mais complicado é ser mãe e mulher na minha opinião pq os bebês precisam muito de nós direto e reto, a não ser que vc seja aquela mãe desencanada! Mas ao contrário tudo fica apertado e corrido não temos tempo nem para nos mesmos ainda mas para compartilhar tempo junto com os maridos, imagina se torna muityo dificil, lembro que meu tempo livre quando tinha era para dormir e descansar enquanto não dava a hora de amamentar ou trocar fralda etc...Mas eles(maridos) tem que entender e muito e foda-.. o que os outros acharem minha filha estando bem e saudavel é o que importa!Bjs adoro seu blog!Ale

Viviani Fernanda disse...

Pra mim, amamentar foi difícil. Dolorido. Cada vez que ela queria mamar, parecia que minha alma era sugada pelo seio. Depois de 5 dias de martírio, meu médico indicou um bico intermediário. Foi a glória. Amamentei com o tal bico por um mês (mãe de merda feelings). Com relação ao parto, fui a maior mãe de merda da paróquia pois tive cesárea. Passei bem prá caramba, não tive dor, e não precisei de ninguém me ajudando com banho, trocar de roupa, etc. No mais, como mãe de merda orgulhosa, vou levando. Beatriz tem 12 anos, é linda, educada e inteligente. Não deixei ela com nenhuma seqüela (sorte). Trabalho todos os dias desde que ela tinha 1 mês. Aliás, parei de trabalhar quando faltavam 6 horas para ela nascer. Acredito que a tornamos um ser humano responsável e ciente do seu lugar no mundo. Com amor e valores de auxílio ao próximo, preservação do nosso mundo e muita cultura, ela certamente será um adulto correto e de bem. E também, um dia, será uma mãe de merda como eu.