domingo, 26 de junho de 2011

Questão de escolha!


Eu escolhi ficar em casa com a Beatriz. E apesar de ser completamente contra colocar uma criança antes dos dois anos em uma creche/escolinha, entendo que existem pessoas com outras realidades sem ser a minha. Claro, que não tenho uma vida boa, mas escolhi abrir mão de muitas coisas, para que só com a renda do marido - e do meu pai, que mora com a gente e ajuda aqui - desse para levar as coisas. Não temos "luxo", tv a cabo, e contamos grana para a compra do mês, ficamos stressados quando a conta de luz vem muito alta, e feliz quando misteriosamente abaixa questão de 40 reais!
Mas eu escolhi isso.
E não da boca pra fora. Faço meus "bicos", e entendia perfeitamente o 'pré-conceito' com quem trabalha em casa seja com o que for, por algum tempo ficava brava, chateada, e magoada com pessoas queridas que não entendiam isso, depois desencanei, até porque essas pessoas não pagam minhas contas.
Mas, se eu deixo de trabalhar fora para ficar com a Beatriz, eu devo ficar com a Beatriz.
É cansativo, me sinto mais cansada de quando eu trabalhava em uma linha de produção em gráfica. Eu me stresso, choro, as vezes penso que se a Beatriz estivesse em uma escolinha eu teria mais tempo para resolver certas coisas.
Porém, eu escolhi. E sou feliz com a minha escolha.
Hoje, faltando pouco para ela completar 2 anos, sinto que a hora dela ir para a escolinha está chegando. Já nos inscrevemos para a escolinha publica, muito boa por sinal, e até agora ela não foi chamada. Óbvio que o custo benefício - pelo que conheço dessa escola - é incrívelmente melhor do que eu pagar uma escolinha para a Beatriz, mas tem suas desvantagens também, que é o fato de ser periodo integral.
E então, eu fiz outra escolha, não trabalhar. Eu aguentei até aqui, não é mesmo? Então, o plano é: Beatriz é chamada na escola publica, e eu faço faculdade na parte da manhã.
Se ela não for chamada, eu espero ela desmamar e coloco em uma escolinha paga, sem problemas.

A questão é, isso foi tudo escolhas que eu fiz. E a Beatriz em momento algum, pode sofrer com minhas escolhas. Apesar de não trabalhar fora, e não termos uma condição financeira super bacana, nunca deixamos faltar nada para ela.
Beatriz tem roupa, tem alimento, CARINHO E ATENÇÃO.
Acredito que se eu escolhi ficar em casa cuidando dela, e privando sim ela de ter contato com outras crianças na escolinha, devo dar atenção a ela, sentar no chão e brincar, sair para passear ao ar livre, e não deixar ela jogada pela casa se distraindo 12hrs por dia com televisão, ou com qualquer outra coisa que a distraia e "me deixe em paz". Porque se fosse para ser assim, é preferivel colocar em uma escolinha onde ela tenha contato com outras crianças, com pessoas que vão verdadeiramente dar atenção a ela, etc.


Escolhi também que para mim, não valeria a pena trabalhar 8 horas para ganhar R$700 reais sendo vendedora de shopping. Escolhi passar esse tempo verdadeiramente com a Beatriz. Escolhi ser  mãe em tempo integral até quando fizer bem para mim, e para a Beatriz. Escolhi não ter babá.

Então, por mais que o mundo esteja caindo nas minhas costas, a prioridade é a Beatriz. E quando ela dorme, eu faço o que eu tenho de fazer, eu respondo email, ajeito a casa, tomo meu banho demorado.

Se há arrependimento?Acredito que sim. Me arrependo do dia não ter mais horas. De não ser mais organizada e conseguir passar mais tempo ainda com ela.

Mas, tudo isso faz parte né?É uma mutação genética que acontece assim que nos tornamos mães!



9 comentários:

Lucila disse...

Também não sou a favor de um BEBÊ ir para escolinha, sim porque antes de 2 anos eles são bebês ainda, necessitam da mãe. Claro que como você mesma disse, a realidade de muitas não é a mesma realidade que temos.

Me identifiquei muito com você Kira. Temos uma realidade parecida.

Beijos!

Dina disse...

Infelizmente muita gente critica essa escolha, muitas pessoas optam em ficar em casa, mas não estão com os filhos de verdade, e dai criticam quem trabalha fora, é complicado.

Eu em casa ficava na net, limpava a casa e brincava com o Fe, eu dava conta de tudo e muita gente falava por ai, falava que eu deixava o Fe de lado. Mas nunca, eu sempre passei tardes e tardes sentada no chão, brincando com ele!

Eu fiquei em casa o quanto pude, a intenção eram 2 anos, mas surgiram planos novos, e graças a Deus deu tudo certo.

Mas eu não me arrependo de ter deixado muita coisa pra depois e ter ficado os primeiros 14 meses do Fe em casa, valeu muito a pena!
Bom, vc sabe toda a minha opinião sobre esse assunto. bjs

Daniela disse...

olá
infelizmente uma mãe que decide ficar em casa pra cuidar do filho é taxada de tudo que seja ruim, concordo que seja o melhor pro bebê...
e qto a pergunta do post anterior de como não fazer uma festa de merda, a resposta é a seguinte: não faça uma festa cujo tema seja inapropriado pra idade da criança e sim pra agradar os pais... fui numa festa de 1 ano, a menina nem sabia andar e no buffet tinha brinquedos onde a idéia é a criança pular, andar lá dentro... aqueles brinquedos de girar sabe.. eu achei bem impróprio pra bebê de 1 ano
e minha opinião é q vc faça a festa num salão ou se for em casa, tranque os quartos..
bjs

♠ Lola Rodrigues... disse...

Adoraria ser mãe em tempo integral.... ;D

Samantha Gravena disse...

Eu fiquei 1 ano e 6 meses com meus gêmeos e ouvi dezenas de vezes "virou madame heim...como é bom ter marido sustentando pra vc ficar em casa" e coisas assim!!! Sabe o que é isso? Inveja! Adorei me dedicar todo esse tempo a eles, quase morri! Cuidar de bebê (es) cansa muito mais do que qq trabalho! Hoje eles estão na escolinha e eu voltei a trabalhar feliz! Tudo tem seus tempo!
Boa sorte Kira!Logo logo vai achar um bom lugar para deixar Beatriz e voltar a trabalhar!
Bj Samantha

Rô Miranda disse...

Que honra vc comentando no meu blog!
Minhas calças tão tudo apertada jesuis....
Lojas virtuais... eu tento mas o preço do frete,sedex aff...
Eu moro onde o capeta perdeu as botas, para as coisas serem tão caras só pode
beijos

Agente especial "mamãe" disse...

Eu tmb escolhi e fico feliz com minha escolha.Não sou frustrada por não ter certos tipos de luxo que teria trabalhando, então por enquanto esta bom.
bjos

Karin disse...

Quem sou eu pra decidir o que é melhor pra vocês duas? Absolutamente niguém...

Mas creio que voce certamente fez a melhor escolha... e sim, eu adoraria poder ter tido mais tempo com o meu pequeno, é bom demais poder ficar com eles e curtir cada instante, cada sorriso!!!

Tem mais que aproveitar e dane-se quem não paga suas contas!

Beijos

Karin
www.mamaeecia.com.br

Debora Oliveira disse...

E ai que eu li esse post no domingo, e tou desde domingo com coceira no dedo pra comentar, hehe.
Sabe o que eu mais gostei em você? A sua postura de respeito ao próximo. É muito dificil encontrar isso em pessoas 'xófens', haha.
E eu já sofri taaanto por isso, sabe? Pelas pessoas não respeitarem as minhas decisões. Escutar que seu filho lindo e rechonchudo de comercial johnsons tá magro, escutar que você quer colocá-lo numa redoma de vidro pq não quer que com 10 meses ele tome suco de pozinho, escutar que não deve por ele na escolinha porque ele é muito pequenininho, poxa, são tantas coisas. Hoje meus filhos têm 5 e 4 anos, e essa fase de neuras já passou. Mas me identifico muito com você, porque já passei por tudo isso. Fico feliz de verdade em saber que você pode ficar com sua filha, porque eu não pude me dar à esse 'luxo' haha, meu marido sempre ganhou pouco, e nós moravámos de aluguel...e é isso, é essa é parte da minha história, e eu acho muito legal encontrar gente jovem assim, sensata. Infelizmente, hoje em dia isso é raro. Parabéns.