domingo, 4 de setembro de 2011

Sobre prioridades!


Hoje lendo o post da Mamãe Nádia, fez eu ter vontade ainda mais de expor as minhas opiniões, escolhas, e decisões tomadas durante todo esse tempo que a Beatriz está aqui comigo.
Para situar vocês, terminei meu Ensino Médio aos trancos e barrancos, e até meus 18 anos não precisei trabalhar, pelo simples fato que ganhava uma pensão - pelo falecimento da minha mãe que era funcionária publica - no qual poderia muito bem sustentar uma casa sozinha.
Não fazia ideia do que cursar em uma faculdade, estava indecisa, e se um dia eu puder proporcionar isso para a Beatriz, não quero que ela faça faculdade assim que sair do ensino médio, acredito que, nessa idade ainda não temos uma noção muito boa do que queremos ser para " a vida toda".
Nesse meu tempo de indecisão, fiz cursinho pré vestibular, prestei muitas faculdades e passei em duas federais no Rio Grande do Sul, estava tudo certo para eu morar com um amigo, mas eu não tinha - e nem tenho - condições psicologicas de deixar meu pai.
Quando comecei a namorar com o Rob, comecei também a fazer uns bicos na gráfica, cheguei a virar noites lá, e me sentia muito bem apesar do cansaço. Me sentia feliz sendo útil, nunca fiz corpo mole para trabalho, e aprendi a gostar mesmo de tudo aquilo.
Nessa época já tinha decidido o que queria ser " quando crescer", só que eu não tinha mais a tal pensão.
E a partir do momento em que descobri que estava grávida, tudo "clareou" por aqui. Eu tinha 18 anos, e decidi que só voltaria com a "minha vida" quando a Beatriz tivesse 2 anos de idade. Levando a sério mesmo sabe?Procurar emprego, fazer uma faculdade. Eu queria, e precisava desse tempo.

Hoje, com a Beatriz prestes a completar 2 anos, eu sei muito bem o que eu quero. Fico muito feliz por "não precisar trabalhar", já disse milhões de vezes isso aqui, não temos uma vida de "luxo", já chegou a faltar coisas em casa, teve época que precisamos receber cesta básica - do meu irmão, da igreja do meu pai, etc - e não me envergonho disso. Foi uma época complicada. Hoje, estamos bem melhores, não falta nada para a Beatriz e eu só não compro roupas loucamente para a Beatriz pelo simples fato dela não precisar.

Sinto falta de muitas coisas sim, seria hipócrita dizer que não me senti humilhada muitas vezes por amigas, conhecidos, por menosprezarem a minha decisão, e até mesmo, senti vontade de comprar uma calça jeans, uma blusa, um sapato, e no momento não teve como.
Mas, se eu colocar na balança, não vale a pena trabalhar e ficar longe da Beatriz, força-la a uma adaptação, por puro prazer de comprar coisas para mim.

Hoje, depois de passar uma parte muito tensa financeiramente, estamos entrando nos trilhos. Meu pai e o marido dão conta de pagar as contas, fazer compra, comer algo fora vez ou outra, sairmos.
Eu teria um gasto muito maior trabalhando fora do que ficando em casa, sabe, o custo beneficio não valeria a pena. Para quem não sabe, meu pai tem mal de parkinson e dia ou outro precisa de ajuda até mesmo para ir no banheiro, e depende de mim para cozinhar, e ajuda-lo a levantar da cama. Então, para eu trabalhar fora eu teria de pagar alguém para ficar com ele. E qual sentido faz?
Por esse motivo, meu pai sempre me da um $$ para eu comprar algo para mim, e que eu acabo comprando coisas para a casa. Porque eu não quero precisar mais de ajuda dos outros, sabe? Prefiro milhões de vezes não ver faltando coisas em casa, do que ter uma calça jeans legal, ou o sapato x. 

Se tenho meus planos?Com certeza. Ano que vem Beatriz começa na escolinha, e se eu ver que está sendo bom para ela, ela continua. Se não, fico com ela o tempo que for necessário. Se der certo, vou fazer de tudo para começar uma faculdade, porque eu quero trabalhar sim,  mas quero trabalhar com algo que eu gosto, ganhar por algo que eu mereço, algo que vale a pena. Porque sinceramente, para mim não vale a pena trabalhar para ganhar R$600 por mês.



Digo tudo isso, porque temos de ter muita certeza daquilo que escolhemos, e sim eu ESCOLHI. Porque, se não fosse assim, estaria trabalhando em um shopping ganhando algo que não valeria a pena, só para falar que estou trabalhando, que posso comprar tal coisa.
Se eu não tivesse certeza daquilo que escolhi, na primeira dificuldade teria corrido para um emprego qualquer. Convivo com pessoas que se matam de trabalhar pelo simples fato de poder ostentar algo, dizer que comprou tal coisa, trabalhar para gastar em balada.
E minha prioridade não é essa.

Já ouvi muitas vezes que eu só consegui isso, esse "privilégio" por ter uma marido que consegue me sustentar sozinho, mas não é bem assim! Abrimos mão de muitas coisas para isso.

E acho que esse negócio de maternidade tem muito disso, abrir mão.
Mas posso garantir, vale a pena.

10 comentários:

Ana SODIO disse...

isso aí, menina! mta força p/ vc! sei completamente oq vc tá dizendo! e vc ainda c/ uma baby p/ criar! eu q nem tenho filhos e às vezes já é duro ter q pesar as prioridades p/ escolher do q a gnt abre mão antes...
dane-se o q falem, pode ser clichê, mas kem vive a nossa vida e paga nossas contas, somos nós. ngm + sabe oq é, cada um co seus pobrema! hehe
ainda mais qdo se tem um objetivo, parece q aparece ainda + gnt p/ tentar desanimar, não entendo, mas enfim... td d bom p/ vc e sua família! tenho certeza d q não vai se arrepender das escolhas q está fazendo por amor!
nosaltsugar.blogspot.com

Minha Vida , Minha Gravidez disse...

é isso ai kira , você fez a escolha certa , sua prioridade é dar amor e cuidar da Bia faça isso até quando achar que dá conta; Vi no seu formspring uma ridicula anonima pra variar falando que você não trabalha pois só arrumaria empreguinho de merda como caixa de supermercado ou auxiliar em gráfica , MASS peraii , quem disse que é vergonhoso trabalhar assim??? meu na boa você é educada pra krl pq se fosse eu mandava todo mundo se fodeer ! e kira se tiver faltando fralda ai é só twittar que estamos aqui , trabalhe quando achar necessário e que a bia não ira sofrer. Aqui em casa é a mesma coisa , e eu tenho profissão e escolhi ser Mãe . Parabéns kira , você pode não ser a mãe Perfeita afinal acho que nem existe , mas você luta por aquilo que acredita e defende suas ideias !!! e vamos beber mandar todo mundo se fuder!!!

Dina disse...

Amiga, vc é feliz co sua escolha e com ctz a Bia é uma criança feliz por ter vc feliz ao lado dela.
Admiro muito vc, parabéns por essa decisão e por toda sua força.
Não é de espantar que mts lokas morram de inveja rs
Bjs
Lov U...

Carolina Rodrigues disse...

Wow.. gostei da sua seguranca, ta de parabens vc deve ser mesmo um super maezona!!!achei vc no facebook e entrei pra ver o que era gostei muito do seu cantinho..vou seguir bjuxx

Thata disse...

Eu queria poder te aplaudir de pé agora! A sociedade está tão preocupada em TER que se esquece de SER. Não há nada mais altruísta e uma demonstração de amor verdadeiro do que pensar inteiramente no bem da sua família! Parabéns!

Magali, mamãe da Sayuri disse...

Oii sigo seu blog a um tempinho ... gosto muito da maneira que vc encara a vida e admiro sua força! Sei bem o que vc ta dizendo tbm fiz essa escolha e sei que foi a melhor!
Bjos

Anônimo disse...

Creio que seja muito melhor olhar nos olhos de nossos filhos e sabermos o que eles estão sentindo do que ter que perguntar a alguém para "interpretar" aquele olhar.Sei que muita mãe por aí precisa trabalhar mesmo,que trabalha por 600 conto mesmo,pq tá sozinha e na m* total.Mas pera lá para as que gostam de "tentar esnobar" as outras né ¬¬ Pq Kira,não sei vc,mas meus amigos e eu estudamos muito o Ensino Médio em escola pública ouvindo de todos os professores que não seríamos nada,pq quem iria mandar na gente estava na particular.Me formar no E.Médio e passar em uma faculdade enquanto era balconista de lanchonete foi/é um orgulho.Cada um sabe onde o calo aperta,mas neste momento com meu filho de 5 meses e meio , eu sou mãe.Tô correndo atrás de algo para fazer no horário que ele dorme,mas se não conseguir tbm n vou me matar.
Já ganhei sesta básica,já passamos por apertos e creia-me :Se eu tivesse ganhando 500 lá fora seria pior.Pq eu teria q pagar alguém ou deixar meu filho em algum orfanato em meio período.E as creches por aqui que estão na faixa de 1000 reais e eu conheço "educadoras" falam que n trocam os bebês,que eles n recebem merenda direito.

Kira,n quero entrar em detalhes aqui,mas eu passei o inferno na mão de outras pessoas.Não quero isso para meu filho indefeso que nem fala ainda.Tem muita gente que é mãe,mas n vê o nossos filhos como os filhos de alguém.

Então é isso,cuidar da nossa vida os outros sabem,quero ver rebolar o mês todo fazendo econômia,sem pediatra particular,no SUS e educando nossos filhos para amanhã n escutar? :"O que teu pai ganha,é a ração do meu cachorro,cavalo,etc"
Pq dá boca pra fora o garotão fala isso,mas falta carinho,amor e educação que ração nenhuma é capaz de dá.

Da Aby,mãe do Abu
aquela lá que comentou no perdendo 20 - ixi eu caí de cornos em um refri esse fim-desemana xD -

Ah eu queria blogar,mas n saberia lidar com gente que fica monitorando minha vvida não

Babi disse...

eu sei bem do que vc está falando...Também optei por ter uma vida mais limitada, sem luxo, mas sem faltar nada. Já fiz facul, trabalhos desde 16...afinal diferente de vc já sou da casa dos 30 hehehehe
Voce está certa, o importante é ter seus objetivos!
bjs e parabéns pra Beatriz que vai completar seus 2 aninhos!!!

Karin - @Blogmamaeecia disse...

você sempre ótima... eu admiro muito você viu... mesmo quee virtualmente, você é muito segura de si e tenho certeza que a Beatriz vai crescer uma pessoa assim também!

beijos

Alessandra disse...

Concordo amiga... eu trabalho Graças a Deus.. c/ o Gu aki juntinho comigo.. tive esse privilégio que papai do céu me deu.. mas nunca deixaria ele pra ter mais luxos... nunquinha.. a gente aperta.. mas são poucos anos.. nem um milhão de dólares paga o que uma mãe ganha em ver o filho crescer e poder educá-lo a seu modo
bjusss