segunda-feira, 10 de outubro de 2011

Coisa de Infância

http://desconstruindoamae.blogspot.com/



Minha infância é uma das coisas mais bizarras para eu explicar, até porque, eu não lembro de muita coisa. Desde que minha mãe faleceu - talvez pelo impacto que aquilo causou na minha vida - eu me esqueci de MUITAS coisas, eu lembro de coisas vagas e flashs, e tem coisas que eu me lembro só depois de alguém comentar.
Mas existem algumas lembranças que são tão fortes que parece que o tempo não passou.
Minha mãe SEMPRE trabalhou fora, eu fui para a creche cedo e aqui em casa sempre foi ao contrário, minha mãe trabalhava fora, e meu pai como trabalhava por conta, ficava comigo. As vezes, eu ia trabalhar com o meu pai, as vezes, ia trabalhar com a minha mãe.

Das coisas que eu mais me lembro, são dos sábados pela manhã, meu pai e meu irmão iam para a igreja e eu ficava somente com a minha mãe, talvez, por não ter muito contato com ela durante a semana, o sábado era um dia muito especial. Sábado era o dia em que eu ajudava ela a limpar a casa, era o dia em que ela fazia fogão de tijolo no quintal e me ensinava a cozinhar - e fazia meu pai comer o que eu cozinhei, coitado - era o dia de ir para a casa da minha avó, e passar a tarde toda lá com a minha mãe, minhas tias - Tia Marlene e Tia Lu - e a minha avó, embaixo do pé de jabuticava, fazendo as unhas, minha mãe tomando cerveja, e batendo papo.

Me lembro também, das idas a praça - a mesma praça que levo a Beatriz, em frente de casa - ficava a minha mãe, e a mãe da @cmlcruz, enquanto nós - eu, Camila, Vanessa e a Mi - andavamos de bicicleta, brincavamos de terra, corriamos, jogavamos bola.

Eu confesso que tive uma infância MUITO feliz, MUITO bem aproveitada, mesmo minha mãe tendo ido embora enquanto eu ainda era uma criança, acredito que ela soube aproveitar muito o tempo que ela tinha disponível - longe do trabalho - e da melhor forma comigo e com o meu irmão.
E mesmo quando ela não podia ficar comigo - ou não tinha quem ficasse comigo - ela me levava para o hospital onde ela trabalhava, a gente ia caminhando, e passavamos em uma padaria comprar pão doce para comer a tarde, eu ficava "trabalhando" com ela, e ela realmente passava algumas coisas para eu fazer na recepção.

Minha mãe, sempre muito cuidadosa com a minha alimentação, quando minhas amigas - as mesmas que ja citei - vinham em casa brincar, as vezes era de boneca - barbie - as vezes, na piscina, sempre tomavamos lanche da tarde juntas, geralmente era pão com manteira e leite com nescau. As vezes, era sucrilhos.

Mas meu sonho mesmo, era ser meu pai. Meu pai trabalhava como pedreiro, mas na verdade ele era um faz tudo, encanador, pintava casas, e eu adorava sair por ai com ele, e até mesmo ir trabalhar com ele. Ele sempre me dava um pincel para ir pintando os cantinhos das paredes, as janelas - pessoas que contrataram meu pai, sim fui eu haha - e eu adorava usar boné só para imitar ele.

Diversão da minha infância, era correr, pular corda, ir na praça andar de bicicleta, brincar de boneca, jogar video game com o meu irmão, azucrinar meu irmão como toda irmã mais nova.


E é isso que eu quero para a Beatriz, uma infância simples sabe? Adoro tecnologia, mas não quero que minha filha tenha lembranças da infância jogando the sims no computador, assistindo milhões de dvds, e ficando dentro de uma casa 24 horas por dia.
Porque criança tem de correr, tem de se sujar, ficar com o pé preto de andar descalça, ralar o joelho, andar de bicicleta, brincar de esconde-esconde, não fazer 500 cursos extra curriculares e ter aulas de inglês com 5 anos de idade.


E por fim, dia 12 de Outubro me lembra a irmã que eu não conheci, que faleceu alguns dias depois de nascer, e que hoje teria 30 e poucos anos, a Michele.

Beijos


Post especial para os envolvidos: Mirian, Vanessa, Camila, Tiago, Pai, Mãe e Michele.

14 comentários:

Minha Maria disse...

Que deliciaaaaaaa, já vou colocar na minha lista de favoritos! Beijos nossos

♠ Lola Rodrigues... disse...

Mas QUE LINDO! Lembro que minha infância foi parecida... aliás acho que nossa geração foi a última que teve isso... mas no que depender de pessoas como nós, essa infância ainda vai ser revivida várias vezes, com certeza!!!

Lembro q namorei um cara que tinha duas filhas, uma de 8 outra de 10 anos... como me apeguei a elas! Foi tão gostoso voltar a pular corda e ensinar a brincar de "pegar o rabinho"... coisas essenciais que faltam hoje!

Tiago K. disse...

Muito bonito einn bela, confesso q me lembro de cada detalhe da minha infância com meus pais e a Kira, e não posso reclamar da minha infância, tirando as azucrinações da Kira(até hoje)... brincadeira, nossos pais foram bem presentes na nossa infância.

Dnise disse...

nossa hein...quase q eu chorei!! infância é tudo isso aí!! eu tb tnho MTA saudade de ser criança...o bom de ser mãe é q vai dar pra fazer tudo isso com as crias hehehe!!! big bj!!

Karin - @blogmamaeecia disse...

Concordo com você as lembranças que ainda tenho da infância são as melhores coisas, e também quero que emu filho cresça e viva, corra, se suje, se rale, se divirta. Tenha vida!

Não apenas uma telinha de computador!!!

:D

Beijos

Mari Hart disse...

Lindo demais, mesmo em meia a uma dor irreparável, vc conseguir dizer como sua inância foi feliz!I sso p/ mim significa força e luz, a Beatriz terá muito orgulho de vc! =))

Bjão!

Chris Ferreira disse...

OI Isabela,
me emocionei como seu post. Mesmo com a dificuldade da perda da mãe você conseguiu expressar a felicidade da infância.
Lembrei do fogão de tijolos que fazia. Eu também ia trabalhar com o meu pai de vez em quando e era muito especial pois ele era piloto de helicóptero e ficar lá no meio do hangar entrado nos helicópteros era uma aventura e tanto. Melhor ainda quando dava para sair e fazer um voo.

Pena que só vou poder colocar o meu post da blogagem coletiva amanhã porque hoje estou no blog da Nestlé. Mas já estou me divertindo, me emocionando e revivendo a minha infância nos posts participantes.

beijos
Chris
http://inventandocomamamae.blogspot.com/

Um espaço pra chamar de meu disse...

quanta coisa boa no meio de uma tristeza,que vc possa dar essa infância simples para a Bia...Eu qdo faço algo bobo para mim,mas que parece importante para meus filhos fico sempre pensando como eles lembrarão de mim no futuro...espero estar deixando boas marcas tbém como vc...bjs!!

Tuka Siqueira disse...

Um post melancólico, mas lindo! As lembranças da infância são sempre as mais doces que temos e vc lembra bem dos momentos que teve com sua mãe. São essas lembranças que te conduzem.

beijos

Paulo Lima disse...

Muito legal!
Menos computador, mais joelhos ralados...

Paulo
incubandoideias.blogspot.com

Gabi disse...

Belo post, mesmo com a perda da sua mãe, mostrasse como ela te fez feliz enquanto estava com vc!
Um beijo
Gabi
www.minhas3meninas.com.br

Renata Marques disse...

Que bom que na parede da sua memória tem um espaço para o "quadro" da Michele. Gostei de ver seu coração aberto, valeu.

Bel Rech disse...

Viveu com cada um um jeito que te fazia feliz...
Paz e bem

Desconstruindo a Mãe disse...

Oi, Isabela!

Teu relato foi lindo, acho que inspirador mesmo... Pensar na infância com carinho, fazendo aquele flashback em que é possível também ver o que de bom a vida nos deu de bagagem pra aproveitar o presente e conseguir viver com boas referências é baça na demais!

Tua mãe é uma memória linda e que bom que ela se fez amorosa e presente assim, pra vida toda.

Espero que continuemos em contato, trocando e lembrando de passagens importantes sempre. Estou aprendendo demais com todos que participaram da nossa BC.

Beijo,
Ingrid