quinta-feira, 17 de novembro de 2011

Como conheci seu pai!

Beatriz, vai chegar um dia em que você vai me perguntar " Como você conheceu meu pai?", então está aqui, registrado para quando você quiser saber!


Não tem como falar como eu conheci o Rob sem contar algumas coisas antes.
Desde os meus 16 anos saia para "baladas" rock and roll, sem hora para chegar em casa e algumas vezes saindo na sexta e voltando somente na segunda feira. Nisso eu conheci muita gente, muita gente mesmo. Pessoas que valiam a pena, outras nem tanto. Mas com isso conheci amigos de verdade.
Conheci também muitas bandas, sempre aquela coisa de ir no show do amigo, ou do amigo do amigo, e ia conhecendo pessoas.
Na época minha amiga Mirian namorava com o Hugo. A Mirian, amiga de longa data, desde a infância. O Hugo conhecia dos bares, das baladas rock and roll, enfim.
E o Hugo - que em breve será papai! - sempre foi quase um irmão para mim, tipo um irmão mais velho super folgado, aquele que chegava/chega em casa e chama meu pai " E ai BENE", da tapa na bunda da galera, chega em casa abrindo a geladeira, como se a casa fosse dele mesmo. Ele sempre teve MUITAS bandas, e conhecia MUITA gente. E eu sempre acompanhava ele e a Mirian nos shows - vela, esse era meu nome - e consequentemente sempre conhecia os amigos do Hugo, e assim vai.

Uma das primeiras vezes que falei com o Rob foi em uma mesa de bar - junto com o Hugo, a Mirian e mais uma galera - ficamos conversando sobre marca de cigarro. Nada demais.
Depois uma vez fui ver um show com um amigo Ricardo - aquele que me trás cerveja em casa até hoje - , e quem tocava era o Rob, e o máximo que nos falamos foi quando ele passou por mim e eu falei " Parabéns pelo show Rob". Nada demais.

O Hugo não podia dormir na casa da Mirian quando namoravam, e muitas vezes ele vinha pra cá e ficava super tarde para ele voltar para a casa dele e ele dormia na minha casa.
E eu me lembro como se fosse hoje a gente no meu quarto, eu jogando Guitar Hero e tomando cerveja, ele no (meu) computador, tomando cerveja e falando com o Rob. E ele falou " O que você acha do Rob?" eu devo ter dito algo como " Eu ia". E ele do jeito Hugo de ser já começou a fazer um plano maquiavélico.
Ele fez com que eu me aproximasse do Rob, primeiro conversas pelo msn, depois sempre tentando marcar uma saida todo mundo junto, até que deu certo de ir no Woodstock em uma sexta feira, ver algo que eu nem lembro o que era.

Sei que o Hugo passou aqui com a Mirian, e fomos para a casa do Rob buscar ele, o Ricardo também ia só que em outro carro, não me lembro se nos encontramos lá, ou em outro lugar.
Sei que a primeira vez que entrei na casa do Rob - casa da minha sogra - eu passei pelo quintal e fomos direto para o quarto separado da casa que era a " casa " do Rob, um quarto e um banheiro.
Um quarto com um sofá - cama pra que né gente? - um computador, e guitarras, cabos, microfone, MUITAS coisas. E eu pensei " nossa, que zona!".
Rob tava todo sem graça, e atrasado.
De lá fomos para o Woodstock e eu cheia dos planos maquiavélicos, mas no fim o Hugo brigou com a Mirian, eu fiquei tomando cerveja com o Ricardo e o Rob sumiu.
Nos encontramos na hora de ir embora, porque eu desesperada achei que a Mirian e o Hugo já haviam ido embora e medo de ficar sem carona chamei o Rob para ir procurar eles comigo. Achamos, demos um tempo em uma lanchonete para matar a larica pos rock n roll, e eu vim para casa. EPIC FAIL DEFINE.

Nisso eu já estava completamente interessada por aquele cara que bebia muito, fumava muito, era magrelo, narigudo e cabeludo.
E algumas semanas depois ele me chamou para tomar cerveja na casa dele, era uma quarta feira já era mega tarde, e eu fui. Fomos para um bar lá perto, bebemos todas, comemos e ele deu o bote. Eu perdi meu ônibus para ir embora e tive de dormir na casa dele.

Eu estava interessada, mas não queria namorar de forma alguma, isso não passava nem perto dos meus planos.
Mas fomos levando, "ficando" e quando eu vi, ia para a casa dele na sexta e voltava para a minha no domingo. Dai oficializamos o que todo mundo já sabia. Menos meu pai.

Um dia fomos para uma festa, e no meio da festa o meu sogro ligou no celular do Rob dizendo que meu pai estava desesperado atrás de mim e que fazia 3 dias que eu não aparecia em casa, e botou um terror na gente.
Meu pai conheceu o Rob e foi tudo tranquilo, e para não acontecer mais de deixar meu pai em casa sozinho por dias como estávamos fazendo o Rob começou a dormir aqui nos fins de semana. E começou a ficar aqui durante a semana, e trazer algumas coisas também, algumas roupas, a guitarra. E quando vimos já estávamos morando aqui, nós dois. Já tínhamos juntado a escova e meu quarto de solteiro tinha transformado em um quarto de casal.

Sete meses depois eu engravidei da Beatriz, mesmo descobrindo muito tempo depois.
Nesse tempo o Rob continuou a tocar, fomos para várias outras cidades juntos, bebemos muito, comemos em muitos lugares legais. Mesmo pulando algumas etapas, sempre soubemos aproveitar muito.

Hoje a Mirian não está mais com o Hugo. Mas vemos com frequência tanto um quanto outro. O Hugo agora está formando uma família, casado, com a Duda a caminho.
O Rob agora não tem mais cabelo grandão, ainda fuma, bebe raramente, e faz poucos shows.
Uma das primeiras fotos juntos.

E foi assim que conheci o seu pai Beatriz. De uma forma totalmente imprevisível, e em toda a minha gravidez desejei que você tivesse muito do seu pai, e hoje vejo você cada dia mais parecida com ele, espero ter também a inteligência que ele tem, o dom musical, a honestidade que seu pai tem. Ele é um cara incrível filha, de verdade. Você é super puxa saco dele, e ele é louco por você. E eu fico que nem boba babando em vocês dois. 
Nós te amamos Beatriz.


Beijos

9 comentários:

Anônimo disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.
Anônimo disse...

Acho tão fofo quando gente feia se econtra e fica junto.
Sinal que não podemos perder as esperanças.

Que modernidade, você tem preguiça de que um dia sua filha vá perguntar como você conheceu o pai dela. Aí você responde "vai lá, liga o computador e procura no blog, filha"

E só para você não fantasiar mais, conhecer gente na balada lixo é o que mais acontece. Principalmente com as coitadas, que assim como você, engravidam pouco tempo depois sem ter estrutura alguma.
Sorte que você tem um coitado de um pai que pouco ligou em sustentar mais um na época.

Isabela Kanupp (Kira!) disse...

Anonimouuu, ta escrito ai é só você ler, que NÃO CONHECI EM BALADA, rs.


Cadê boa vontade de ler né?

Bêjo!

Lucas Lopes disse...

Meu deus Kira, não conhecia a história! Muito bacana! ahhaha
Mas ler o comentário do "Anônimo" deu um tropeço na minha noite, tem cada pessoa patética no mundo que dá nojo.

Faz um post sobre seu pai qualquer hora kira, pra gente que nem esse ser humano aí ver quem que cuida de quem. Que eu saiba, vc sustenta e cuida dele desde muito cedo.

Karina disse...

Gostei da ideia. Tbm acho minha história bonitinha, vou colocar no blog, mas amanhã...ou de pois, rsrs

Bem bacana a história de vcs!!! É natural, só deixar rolar o amor, sem neuras.

Beijos

Dani disse...

bela história.. que resultou na beatriz, numa nova família, em vcs 3 juntos! quer resultado mais perfeito? =] beijos

Robson Oliveira disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Robson Oliveira disse...

Esse é pro anonimo, que tem medo de mostrar a cara e falar quem é, primeiramente, o pai da Isabela não sustenta ninguém, a casa tem tudo dividido, e uma parte sou eu que pago, pois ele FAZ QUESTÃO de passar a parte dele para não ter uma o esquema que você disse "eu sustento você e blabla" e pq ele também mora na casa, tem dignidade, como eu tenho a minha, pois condição se eu mudasse um dia daqui de sustentar minha familia eu teria, pois é meu segundo casamento, e no primeiro eu tive minha casa, com meus gastos, minhas contas e sei muito bem o que é isso.

Segundo lugar, você que escreveu isso, se olha no espelho e ve o quanto você é infeliz de fazer um comentário sem nem ao menos saber o que se passar aqui em casa para falar as besteiras que fala.

Terceiro, balada lixo? sinto muito, mas nunca fui de balada, ela citou uma das raras vezes q sai e me diverti, pois quem me conhece sabe muito bem q não sou de fazer balada por ai, odeio, prefiro muito mais ficar em casa com a minha familia, ou meramente ficar no meu computador olhando algumas coisas na internet e não facebook e coisas do tipo que você que escreveu deve ficar olhando o de todo mundo pra cuidar da vida dos outros.

Saca se olha no espelho e ve como vc é uma pessoa mal amada e triste para ficar a fazer esse tipo de comentário, de uma pessoa inútil, lixo que eu considero o tipo de escoria remanescente dessa terra, que não some nunca.

Sinto apenas uma profunda tristeza por você ter uma existência tão vazia e sem significado. Mas enfim, fique com deus e tenha uma boa vida e aprenda a cuidar dela pq da minha eu cuido.

Anônimo disse...

Oi Isabella....sempre te veo no face e te acho muito doida(no bom sentido)rsrs...
Todas as histórias de amor são lindas e a sua não é diferente disso; É uma história linda,interessante com pitadas à mais...Assim como vc é!
Gente besta,ridicula é fogoooooooooo; Não liga!!
Sua pequena é fofaaa demais!!
beijão

Vanice Santana